Série de debates online da Ulepicc-Br tem primeira sessão sobre regulamentação e regulação das plataformas digitais

Segunda-feira, dia 18, às 19h, vai ao ar, ao vivo, a primeira sessão de debates de uma série que a Ulepicc-Br promove no decorrer do segundo semestre de 2021. Para essa primeira mesa, a mediação será realizada pelo coordenador do GT1 (Políticas de Comunicação), Murilo César Oliveira Ramos (UnB), e os participantes convidados serão Marcos Dantas (ECO-UFRJ) e Jonas Valente (LaPCom-UnB).

Programação:

GT1 – Políticas de Comunicação

Debate: 18/10/2021 (2a. feira), 19h00

Participantes convidados: Marcos Dantas (ECO-UFRJ) e Jonas Valente (LaPCom-UnB) 

Mediador / coordenador do GT1: Murilo César Oliveira Ramos (UnB)

Local: Ulepicc-BR (Youtube)

Tema: O Estado como agente fundamental para a regulamentação das redes sociais: do político-normativo ao político-econômico.

Ementa: A regulamentação e consequente regulação das plataformas digitais de internet constitui talvez a mais sensível questão de políticas de comunicação dos dias atuais. Neste debate a abordaremos pela ótica das chamadas redes sociais, buscando aprofundar menos o porquê, e mais o como abordar essa questão, à luz do papel que nela está reservado aos Estados nacionais.

Revista EPTIC lança chamada para seu novo dossiê temático

Com o título “A Economia Política da Informação, Comunicação e Cultura e o pensamento crítico nas margens: anti-colonialismo, imperialismo e luta de classe”, o dossiê tem prazo de apresentação de textos até o dia 10 de janeiro e previsão de publicação para abril de 2022.

Informações completas no site da revista EPTIC

Chamada:

“A América Latina permanece sendo um palco bastante proeminente das contradições próprias ao capitalismo. Nessas duas primeiras décadas do século XXI, presenciou a ascensão de governos progressistas que animaram a pretensão de reparação de desigualdades sociais, ainda que numa combinação de políticas públicas com a manutenção do extrativismo. Tem visto também governos autoritários chegando ao poder com seu combo de políticas econômicas de austeridade e perspectivas sociais reacionárias. No conjunto dos conflitos, acompanhou a eclosão de protestos massivos, à esquerda e à direita, ora exaltando novas capacidades de organização, ora sob a acusação de interferências políticas estrangeiras, em um contexto mundial de crise e indefinições quanto à configuração das disputas imperialistas neste século XXI.

Esse cenário mobiliza leituras diversas, com destaque atualmente para o pensamento decolonial, que tem suscitado discussões e experiências importantes junto a movimentos sociais e nos círculos universitários, tendo em vista os avanços do capitalismo sobre os bens comuns, o  meio ambiente, as comunidades tradicionais e seus conhecimentos, bem como as resistências a todo esse processo. Em linhas gerais, a partir dele, o momento de crise do capital é reconhecido segundo uma reconfiguração do poder colonial, diante da qual a espoliação contínua e racializada de povos subalternizados desencadeia, por outro lado, um enfrentamento pautado pela defesa de conhecimentos ancestrais, modernidades alternativas e um conjunto significativo de práticas e saberes que seriam, em ato, o encaminhamento de outro mundo possível.

Antes de uma novidade, tais elaborações integram uma larga história de pensamento crítico latino-americano e do pensamento marxista, que refletiu sobre sua condição, enfrentou os desafios postos pelas desigualdades na divisão internacional do trabalho e postulou outro caminho para os países periféricos. É correto dizer que, a seu modo, a Economia Política da Comunicação se desdobra desse caldo conceitual, de maneira que a abertura de diálogos entre a EPC, o anti-imperialismo, o pensamento decolonial, o combate às opressões na perspectiva marxista e outras problemáticas não só nos parece viável, como importante para a produção de pautas e perspectivas que reajam à crise do capital que nos ameaça.

A trajetória do pensamento crítico em nossa região, todavia, é marcada também por visões que apontam o suposto ocaso do marxismo e enfatizam a fragmentação e as práticas sociais de forma descolada das dinâmicas mais gerais do poder. Neste momento em que as esferas da comunicação, da informação e da cultura conformam um campo privilegiado para esse debate, tendo em vista a centralidade delas para a (re)configuração do capitalismo, o novo dossiê temático da Revista EPTIC propõe relacionar as reflexões sobre as desigualdades históricas e os desafios que despontam de outras perspectivas críticas àquelas elaboradas desde a tradição marxista, a fim de contribuir para uma apreciação emancipadora e renovadora da imaginação política.

Nesse sentido, a Revista EPTIC convida autoras e autores a enviarem artigos que lidem com as seguintes temáticas:

  • História do pensamento crítico sobre informação, comunicação e cultura na América Latina
  • Marxismo latino-americano e sua contribuição para os estudos sobre informação, comunicação e cultura
  • Diálogos entre marxismo e pensamento decolonial, tendo em vista aproximações, diferenças e contribuições das distintas vertentes de pensamento
  • Discussões sobre o imperialismo hoje, a partir de trabalhos que analisem, entre outros elementos, o papel das plataformas digitais, o lugar dos Estados nacionais, a situação dos sistemas tradicionais de mídia e as batalhas em torno da hegemonia.
  • Forma hegemônica, materialidades da comunicação e seus impactos, tendo em vista também a crise ambiental
  • Agenda de resistências e lutas emancipatórias em relação à comunicação, informação e cultura desde a América Latina e outras regiões periféricas
  • As tecnologias de informação e comunicação como instrumentos de dominação simbólica e cultural: análises sob as lentes do marxismo e do pensamento crítico.
  • O papel das plataformas digitais nos fluxos de capitais transnacionais e nas trocas desiguais entre centro e periferia do capitalismo mundial.
  • O pensamento anticolonial na obra de Marx e na tradição marxista e sua relevância para análise da sociedade contemporânea.”

César Bolaño representa a EPC brasileira em ranking dos cientistas mais influentes da América Latina

O ranking AD Scientific Index 2021 incluiu César Bolaño na lista dos 10000 cientistas mais influentes da América Latina. Bolaño aparece junto de outros 29 nomes citados na área da Comunicação, sendo 15 desses brasileiros. Dentro do subcampo da Economia Política da Comunicação o pesquisador é seguido apenas de Guilhermo Mastrini da Argentina.

O AD Scientific Index possui uma forma de pesquisa que leva em conta quesitos qualitativos como o desempenho científico e a relevância do trabalho com influências internacionais. Partindo do Google Scholar, o ranking supera as medições que apenas contabilizam números de produções em periódicos e universidades dando espaço também para a qualidade e não somente para a quantidade.

Com mais de 30 anos de pesquisa na área da EPC, César Bolaño é autor de Mercado Brasileiro de Televisão, obra considerada marco inicial dos estudos do subcampo no Brasil. Pesquisador do Departamento de Economia da Universidade Federal de Sergipe (UFS), Bolaño possui vasta experiência e participação em associações nacionais e internacionais como a ULEPICC-Brasil (inclusive como presidente) e o grupo de trabalho em economia política da informação, comunicação e cultura da CLACSO. Também é diretor da revista EPTIC, periódico de relevância internacional para os estudos em EPC.

Livro “Das plataformas online aos monopólios digitais”

O livro de Jonas Valente, “Das plataformas online aos monopólios digitais” já está disponível em formato de e-book pelo site da Amazon.

Sinopse:

As plataformas digitais se tornaram agentes fundamentais na vida social. Atividades diversas como leitura de notícias, busca de informações, interações, compras e pagamentos online e aplicativos para diversas práticas cotidianas são medidas por essas empresas. Muitas vezes vistas como intermediários neutros, esses grupos se tornaram as empresas com maiores valores de mercado do mundo, alcançam mais de três bilhões de pessoas em todo o planeta e definem como conhecemos, interagimos, falamos e nos relacionamos a partir de suas regras. O presente livro joga luz sobre esse fenômeno, discutindo a emergência das plataformas digitais e como elas ganharam tamanho poder a ponto de se tornarem monopólios digitais, agentes econômicos que usam a quantidade de usuários, sua base tecnológica e os dados coletados para espraiarem sua atuação para novos campos. O trabalho usa o caso da evolução do Facebook e do Google como exemplos da ascensão e transformação desses agentes como novos atores-chave na sociedade.

Cutucando Dados: “Lei do Mandante” e as barreiras político-institucionais no futebol

A série com episódios mais curtos do podcast Jogando Dados traz reflexões de Anderson Santos sobre a “Lei do Mandante”, sancionada em 17 de setembro pela Presidência da República do Brasil a partir da categoria de análise das barreiras político-institucionais.

Ouça o episódio em:

Primeiro debate de série apresentada pela Ulepicc-Brasil trata de regulamentação e regulação das plataformas digitais

*Por motivos de força maior o evento foi adiado. Assim que for reagendado traremos novas informações.

Hoje (27), às 19h, a mesa inicial de uma série do Ciclo de Debates da Ulepicc-Brasil será exibida pelo canal da instituição no Youtube. A mediação é de Murilo César Oliveira Ramos (UnB), coordenador do GT1 (Políticas de Comunicação).  Os participantes convidados são Marcos Dantas (ECO-UFRJ) e Jonas Valente (LaPCom-UnB). O vídeo ficará disponível posteriormente no canal.

Programação:

GT1 – Políticas de Comunicação

Debate: 27/09/2021 (2a. feira), 19h00

Participantes convidados: Marcos Dantas (ECO-UFRJ) e Jonas Valente (LaPCom-UnB) 

Mediador / coordenador do GT1: Murilo César Oliveira Ramos (UnB)

Local: Ulepicc-BR (Youtube)

Tema: O Estado como agente fundamental para a regulamentação das redes sociais: do político-normativo ao político-econômico.

Ementa: A regulamentação e consequente regulação das plataformas digitais de internet constitui talvez a mais sensível questão de políticas de comunicação dos dias atuais. Neste debate a abordaremos pela ótica das chamadas redes sociais, buscando aprofundar menos o porquê, e mais o como abordar essa questão, à luz do papel que nela está reservado aos Estados nacionais.

Podcast Jogado Dados aborda livros clássicos da EPC brasileira em série

Ilustração: Davi Fiuza

A série sobre as teses e livros fundamentais para o subcampo da EPC no Brasil já pode ser ouvida na íntegra. Os integrantes da bancada do Jogando Dados desenvolveram ao longo do ano 14 episódios sobre 7 obras sendo elas:

Indústria, Cultura, Informação e Capitalismo” de César Bolaño;

Estado e Cinema no Brasil” de Anita Simis;

Mercado Brasileiro de Televisão” também de Bolaño;

Capitalismo Contemporâneo, Mercado Brasileiro de Televisão por Assinatura e Expansão Transnacional” de Valério Cruz Brittos;

A Lógica do Capital-Informação” de Marcos Dantas;

Reestruturação Capitalista e Mundo do Trabalho nas Telecomunicações Brasileiras” de Verlane Aragão Santos;

Informação, Conhecimento e Valor” de Ruy Sardinha Lopes.

A série se desenvolve desde o início do ano junto com outros quadros do podcast como o Dados na Mesa e o Cutucando Dados. Com um caráter de divulgação científica, o projeto trata dos principais pontos abordados nas teses e livros selecionados e demonstra como o arcabouço conceitual da EPC é utilizado pelos autores. O podcast Jogando Dados é uma iniciativa dos Grupos de Pesquisa CUBO/UEL (Economia Política da Comunicação e Crise do Capitalismo) e CEPCOM/UFAL (Crítica da Economia Política da Comunicação) e pode ser acessado pelos principais agregadores como o Spotify ou o Apple Podcasts, ou mesmo clicando aqui.

Fórum da EPTIC no INTERCOM 2021 traz diálogo entre os Estudos Culturais e a Economia Política da Comunicação

Imagem: Portal Intercom

No dia 4 de outubro, das 16h às 18h30 (Brasil) será transmitida, pelo Canal da Ulepicc-Brasil no YouTube, a Sessão Especial: Estudos Culturais e Economia Política da Comunicação. Diálogos a partir das contribuições de Raymond Williams e Jesús Martín Barbero“. Esta sessão do fórum EPTIC é uma das atividades do GP de Economia Política da Informação, Comunicação e Cultura que irá compor o 44º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, INTERCOM 2021. Os palestrantes que irão formar a mesa são: Maria Elisa Cevasco (USP), Nilda Jacks (UFRGS) e Manoel Dourado Bastos (UEL) e o mediador é Ruy Sardinha Lopes (USP).

Debate: “Comunicação e capitalismo hoje: geopolítica e respostas da América Latina”

Imagem: portal Eptic

No próximo dia 13 de setembro, às 16h (horários do Brasil e da Argentina), a Revista EPTIC junto com o Grupo de Trabalho de Economia Política da Informação, Comunicação e Cultura do CLACSO debaterão sobre o tema Comunicação e capitalismo hoje: geopolítica e respostas da América Latina”. O evento ocorre junto com o lançamento do Dossiê Temático Geopolítica das Comunicações da Revista EPTIC. O Dossiê convoca à reflexão sobre a configuração do capitalismo hoje, a forma como as indústrias culturais e, particularmente, as tecnologias de informação e comunicação ocupam um papel central num novo mapa de poder que ultrapassa aquele tradicionalmente atribuído aos Estados Nacionais e se expande com novas lógicas de governança e formas de intercâmbio nas múltiplas frentes, incluindo a economia, regulamentos, trabalho e cultura.

Para participar, basta inscrever-se no formulário presente na página do CLACSO. O evento é gratuito, aberto e será transmitido via Zoom.

Participantes:

Helena Martins. Revista EPTIC / UFC (Brasil)
César Bolaño. GT CLACSO / UFS (Brasil)
Alina Fernández
Alvaro Terán
Florencia Guzmán
Gina Mardones. UEL (Brasil)
Daniela Monje (Argentina)
Ezequiel Rivero. UCES (Argentina)
Edgard Reboulças. UFS (Brasil)

Para informações sobre todos os eventos do CLACSO no mês de setembro clique aqui.

Diante do Risco de Privatização, EPTIC republica textos que auxiliam a compreender a Empresa Brasileira de Comunicação (EBC) e sua importância

No momento em que entidades científicas da comunicação entregam aos três poderes uma carta pedindo que a retirada da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) do Programa Nacional de Privatização, a Revista Eptic quer contribuir para a reflexão e o debate sobre a empresa e sua importância no Brasil. Para tanto, disponibiliza artigos científicos e entrevista que foram publicadas pela revista sobre a EBC entre 2013 e 2020. 


Para conferir e divulgar esta notícia, basta acessar: 
https://seer.ufs.br/index.php/eptic/announcement/view/308

Abaixo estão os artigos e a entrevista com um dos maiores pesquisadores sobre TV pública no Brasil, que foi também membro do Conselho Curador da EBC.

A Empresa Brasil de Comunicação e o sistema da política midiática (2013)
Edna Miola

Sobre a independência das emissoras públicas no Brasil (2013)
Eugênio Bucci

Entrevista com Laurindo Leal Filho (2017)
Ivonete Lopes e Patrícia Maurício

Democratização da comunicação e sistema público de mídia: um olhar a partir dos movimentos sociais (2017)
Luiz Felipe Ferreira Stevanim

TV pública de âmbito internacional: uma análise comparativa entre o Brasil e Portugal (2017)
Carlo José Napolitano e Augusto Junior da Silva Santos

Dossiê temático “50 anos de televisão pública brasileira” (2017)

Para saber mais sobre a luta contra a privatização da EBC, acesse:


https://twitter.com/ficaebc
https://www.facebook.com/ficaEBC
https://www.facebook.com/emdefesadaEBC
https://www.youtube.com/channel/UCjJ39bf2pWzxzOeRvVTOr7g