Cutucando Dados: “Lei do Mandante” e as barreiras político-institucionais no futebol

A série com episódios mais curtos do podcast Jogando Dados traz reflexões de Anderson Santos sobre a “Lei do Mandante”, sancionada em 17 de setembro pela Presidência da República do Brasil a partir da categoria de análise das barreiras político-institucionais.

Ouça o episódio em:

Primeiro debate de série apresentada pela Ulepicc-Brasil trata de regulamentação e regulação das plataformas digitais

*Por motivos de força maior o evento foi adiado. Assim que for reagendado traremos novas informações.

Hoje (27), às 19h, a mesa inicial de uma série do Ciclo de Debates da Ulepicc-Brasil será exibida pelo canal da instituição no Youtube. A mediação é de Murilo César Oliveira Ramos (UnB), coordenador do GT1 (Políticas de Comunicação).  Os participantes convidados são Marcos Dantas (ECO-UFRJ) e Jonas Valente (LaPCom-UnB). O vídeo ficará disponível posteriormente no canal.

Programação:

GT1 – Políticas de Comunicação

Debate: 27/09/2021 (2a. feira), 19h00

Participantes convidados: Marcos Dantas (ECO-UFRJ) e Jonas Valente (LaPCom-UnB) 

Mediador / coordenador do GT1: Murilo César Oliveira Ramos (UnB)

Local: Ulepicc-BR (Youtube)

Tema: O Estado como agente fundamental para a regulamentação das redes sociais: do político-normativo ao político-econômico.

Ementa: A regulamentação e consequente regulação das plataformas digitais de internet constitui talvez a mais sensível questão de políticas de comunicação dos dias atuais. Neste debate a abordaremos pela ótica das chamadas redes sociais, buscando aprofundar menos o porquê, e mais o como abordar essa questão, à luz do papel que nela está reservado aos Estados nacionais.

Podcast Jogado Dados aborda livros clássicos da EPC brasileira em série

Ilustração: Davi Fiuza

A série sobre as teses e livros fundamentais para o subcampo da EPC no Brasil já pode ser ouvida na íntegra. Os integrantes da bancada do Jogando Dados desenvolveram ao longo do ano 14 episódios sobre 7 obras sendo elas:

Indústria, Cultura, Informação e Capitalismo” de César Bolaño;

Estado e Cinema no Brasil” de Anita Simis;

Mercado Brasileiro de Televisão” também de Bolaño;

Capitalismo Contemporâneo, Mercado Brasileiro de Televisão por Assinatura e Expansão Transnacional” de Valério Cruz Brittos;

A Lógica do Capital-Informação” de Marcos Dantas;

Reestruturação Capitalista e Mundo do Trabalho nas Telecomunicações Brasileiras” de Verlane Aragão Santos;

Informação, Conhecimento e Valor” de Ruy Sardinha Lopes.

A série se desenvolve desde o início do ano junto com outros quadros do podcast como o Dados na Mesa e o Cutucando Dados. Com um caráter de divulgação científica, o projeto trata dos principais pontos abordados nas teses e livros selecionados e demonstra como o arcabouço conceitual da EPC é utilizado pelos autores. O podcast Jogando Dados é uma iniciativa dos Grupos de Pesquisa CUBO/UEL (Economia Política da Comunicação e Crise do Capitalismo) e CEPCOM/UFAL (Crítica da Economia Política da Comunicação) e pode ser acessado pelos principais agregadores como o Spotify ou o Apple Podcasts, ou mesmo clicando aqui.

Fórum da EPTIC no INTERCOM 2021 traz diálogo entre os Estudos Culturais e a Economia Política da Comunicação

Imagem: Portal Intercom

No dia 4 de outubro, das 16h às 18h30 (Brasil) será transmitida, pelo Canal da Ulepicc-Brasil no YouTube, a Sessão Especial: Estudos Culturais e Economia Política da Comunicação. Diálogos a partir das contribuições de Raymond Williams e Jesús Martín Barbero“. Esta sessão do fórum EPTIC é uma das atividades do GP de Economia Política da Informação, Comunicação e Cultura que irá compor o 44º Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, INTERCOM 2021. Os palestrantes que irão formar a mesa são: Maria Elisa Cevasco (USP), Nilda Jacks (UFRGS) e Manoel Dourado Bastos (UEL) e o mediador é Ruy Sardinha Lopes (USP).

Debate: “Comunicação e capitalismo hoje: geopolítica e respostas da América Latina”

Imagem: portal Eptic

No próximo dia 13 de setembro, às 16h (horários do Brasil e da Argentina), a Revista EPTIC junto com o Grupo de Trabalho de Economia Política da Informação, Comunicação e Cultura do CLACSO debaterão sobre o tema Comunicação e capitalismo hoje: geopolítica e respostas da América Latina”. O evento ocorre junto com o lançamento do Dossiê Temático Geopolítica das Comunicações da Revista EPTIC. O Dossiê convoca à reflexão sobre a configuração do capitalismo hoje, a forma como as indústrias culturais e, particularmente, as tecnologias de informação e comunicação ocupam um papel central num novo mapa de poder que ultrapassa aquele tradicionalmente atribuído aos Estados Nacionais e se expande com novas lógicas de governança e formas de intercâmbio nas múltiplas frentes, incluindo a economia, regulamentos, trabalho e cultura.

Para participar, basta inscrever-se no formulário presente na página do CLACSO. O evento é gratuito, aberto e será transmitido via Zoom.

Participantes:

Helena Martins. Revista EPTIC / UFC (Brasil)
César Bolaño. GT CLACSO / UFS (Brasil)
Alina Fernández
Alvaro Terán
Florencia Guzmán
Gina Mardones. UEL (Brasil)
Daniela Monje (Argentina)
Ezequiel Rivero. UCES (Argentina)
Edgard Reboulças. UFS (Brasil)

Para informações sobre todos os eventos do CLACSO no mês de setembro clique aqui.

Diante do Risco de Privatização, EPTIC republica textos que auxiliam a compreender a Empresa Brasileira de Comunicação (EBC) e sua importância

No momento em que entidades científicas da comunicação entregam aos três poderes uma carta pedindo que a retirada da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) do Programa Nacional de Privatização, a Revista Eptic quer contribuir para a reflexão e o debate sobre a empresa e sua importância no Brasil. Para tanto, disponibiliza artigos científicos e entrevista que foram publicadas pela revista sobre a EBC entre 2013 e 2020. 


Para conferir e divulgar esta notícia, basta acessar: 
https://seer.ufs.br/index.php/eptic/announcement/view/308

Abaixo estão os artigos e a entrevista com um dos maiores pesquisadores sobre TV pública no Brasil, que foi também membro do Conselho Curador da EBC.

A Empresa Brasil de Comunicação e o sistema da política midiática (2013)
Edna Miola

Sobre a independência das emissoras públicas no Brasil (2013)
Eugênio Bucci

Entrevista com Laurindo Leal Filho (2017)
Ivonete Lopes e Patrícia Maurício

Democratização da comunicação e sistema público de mídia: um olhar a partir dos movimentos sociais (2017)
Luiz Felipe Ferreira Stevanim

TV pública de âmbito internacional: uma análise comparativa entre o Brasil e Portugal (2017)
Carlo José Napolitano e Augusto Junior da Silva Santos

Dossiê temático “50 anos de televisão pública brasileira” (2017)

Para saber mais sobre a luta contra a privatização da EBC, acesse:


https://twitter.com/ficaebc
https://www.facebook.com/ficaEBC
https://www.facebook.com/emdefesadaEBC
https://www.youtube.com/channel/UCjJ39bf2pWzxzOeRvVTOr7g

Revista Eptic e Grupo de EPICC da Clacso abrem chamada para o Dossiê Geopolítica das Comunicações

A Revista Eptic, em colaboração com o Grupo de Trabalho sobre Economia Política da Informação, Comunicação e Cultura da CLACSO, está recebendo, até o dia 30 de abril de 2021, colaborações para o Dossiê Temático “Geopolítica das Comunicações”. O periódico é produzido pelo Observatório de Economia e Comunicação (OBSCOM) da Universidade Federal de Sergipe (UFS)

O Dossiê é coordenado pelas professoras Alina Fernández (Centro de Estudios Avanzados, Universidad Nacional de Córdoba – Argentina), Alvaro Terán (Facultad Latinoamericana de Ciencias Sociales – Ecuador), Florencia Guzmán (Centro de Estudios Avanzados, Universidad Nacional de Córdoba – Argentina) e Helena Martins (Universidade Federal do Ceará – Brasil), e será publicado na edição Maio-Agosto 2021 da Eptic.

De acordo com a chamada para trabalho da revista, “o tema escolhido é estrategicamente relevante, na medida em que a geopolítica das comunicações desenha um mapa do poder que ultrapassa o tradicionalmente atribuído aos Estados-nação, e se expande com novas lógicas de governança e formas de intercâmbio em múltiplas frentes, incluindo economia, regulações, trabalho e intercâmbios simbólicos”.

Esperam-se contribuições sobre:

-Transformações nos sistemas nacionais de comunicação, culturais e econômicos a partir das mudanças globais no capitalismo;

-Relações entre imperialismo tecnológico e desigualdades (territorial, de gênero, raça, acesso à informação, etc.);

-Os atores periféricos da indústria da infocomunicacional (cooperativa, comunitária, popular ou alternativa) e a disputa hegemônica pelo poder em cenários regionais e globais;

-Novas relações entre estados, sistemas de comunicação social e grandes plataformas digitais;

-Políticas nacionais e regionais de comunicação: situação atual e principais desafios;

– O direito à comunicação e as exigências dos cidadãos no cenário da infocomunicação global.

Os interessados em submeter artigos para a revista devem seguir as diretrizes para autores do periódico e se registrarem na plataforma OJS da revista.

Brazilian Journalism Research recebe artigos para dossiê “Populismo, Mídia e Jornalismo”

O periódico Brazilian Journalism Research (BJR) está recebendo contribuições, até o dia 31 de março de 2021 para o dossiê Populismo, Mídia e Jornalismo. Os aceites serão enviados até o dia 31 de agosto de 2021. Os trabalhos aprovados constarão no número três do volume 17 da revista, com publicação para dezembro de 2021.

O dossiê será editado por Julián Durazo Herrmann (Université du Québec à Montréal, Canadá), Tania Gosselin (Université du Québec à Montréal, Canadá) e Allison Harell (Université du Québec à Montréal, Canadá).

De acordo com a Chamada de Trabalho do periódico “Práticas e discursos populistas têm moldado profundamente a política contemporânea em todo o planeta. A retórica populista floresceu em espaços da opinião pública e se tornou ubíqua em eleições recentes, quando forças populistas impuseram importantes mudanças de políticas em muitas temáticas relevantes, da imigração à saúde reprodutiva”.

Os editores dossiê buscam contribuições que “tensionem as complexas relações entre populismo, mídia e jornalismo em cada um destes níveis, em particular pesquisas que explorem explicitamente o populismo através destas camadas problemáticas”.

Entre as questões colocada pelos editores estão “Como a mídia cobre partidos populistas e qual o papel dos jornalistas na (des)legitimação de ideias populistas? De que modo o discurso populista

condiciona e recondiciona a competição partidária em ambientes hiper-mediados? Como podemos compreender a natureza da retórica populista em dado contexto, em termos de sua evolução, no modo como as elites são construídas e como a categoria de povo autêntico é definido? Como movimentos populistas construíram a mídia e os jornalistas?”

Serão aceitas submissões de pesquisadores das diferentes áreas das ciências sociais interessados no interstício entre populismo, mídia e jornalismo. Submissões que foquem em questões de pesquisa ou contextos específicos, bem como contribuições de diferentes disciplinas e com distintas abordagens metodológicas também são esperados. Contribuições históricas ou contemporâneas, com foco em qualquer área geográfica e que contribuam com o estudo teórico e empírico sobre o populismo estão convidados a este dossiê.

O objetivo central do dossiê “é a construção de uma edição que ofereça aos leitores discussões ricas, do ponto de vista teórico e metodológico, que permitam no avanço de nossa compreensão sobre o fenômeno mais amplo do populismo”.

Os artigos devem ter entre 40.000 e 55.000 caracteres (em torno de 30 páginas) e devem ser submetidos até 31 de Março de 2021. A BJR aceita submissões em Português, Espanhol, Francês e Inglês. Os autores que submeterem seus artigos em Português, Espanhol ou Francês deverão apresentar uma tradução em Inglês até um mês após o aceite final do artigo.

Os manuscritos são aceitos apenas a partir da plataforma online da revista que pode ser acessado aqui . Os autores devem seguir as normas de publicação do periódico, disponíveis aqui. Dúvidas podem ser encaminhadas diretamente para o e-mail bjreditor@gmail.com

https://bjr.sbpjor.org.br/bjr/about/editorialPolicies#custom-0

Mestrado Profissional em Economia da UFS abre inscrições

As inscrições para o processo seletivo do Mestrado Profissional em Economia da UFS (Propec) estão abertas até 05 de novembro. Por causa da pandemia da covid-19, todo o processo ocorrerá por via remota.

A seleção constará de duas etapas: Análise de pré-projeto e Entrevista com defesa de pré-projeto somada à Análise de Currículo.

O Mestrado Profissional em Economia da UFS tem como área de concentração “Desenvolvimento Regional” e conta com duas linhas de pesquisa. A linha “Desenvolvimento Econômico” concentra seus esforços no estudo das diferentes teorias do desenvolvimento econômico, com ênfase nos enfoques críticos, sistemas nacionais e regionais de inovação, políticas setoriais e questão regional.

Já a linha “Cultura e Desenvolvimento” tem como foco o estudo das relações entre cultura e desenvolvimento, considerando a cultura no sentido mais amplo (antropológico), e das transformações nos processos de trabalho e seus impactos socieconômicos, articulado à análise das políticas públicas e das políticas sociais em geral (educação, saúde, segurança, emprego e relações de trabalho).

A linha “Cultura e desenvolvimento” conta com pesquisadores ligados à Economia Política da Comunicação como César Bolaño, Verlane Aragão e Carlos Figueiredo.

Informações sobre os editais podem ser acessadas pelo site do PROPEC, disponível aqui.

Revista Projeto História recebe trabalhos sobre História e Fotografia

A Revista Projeto História, mantida e editada pelo Programa de Estudos Pós-Graduado em História da PUC-SP, está recebendo, até o dia 30 de novembro de 2020, contribuições para dossiê “ História e Fotografia: modos de ver e contemporaneidades”. Os trabalhos aprovados serão publicados em Abril de 2021.

A organização do dossiê estará a cargo da professora Estefania Knotz Canguçu Fraga (PUC-SP), da doutoranda Maria Thereza Soares (UERJ) e de Diogo Azoubel (Seduc-MA/PUC-SP)

A proposta para do dossiê é, de acordo com a chamada para trabalhos (disponível aqui), “reunir reflexões gestadas em diferentes IES, estados e regiões em que o fio condutor das discussões seja o tensionamento de fronteiras temporais entre o hic et nunc do ato fotográfico e dos seus modos de ver, fruir, sentir”

Os organizadores do dossiês esperam estudos inéditos que aprofundem o estado da arte e que contribuam para o fomento do diálogo sobre a fotografia na(s) história(s). Os trabalhos devem seguir a normas para autores que podem ser acessadas aqui.