Texto sobre Trabalho e Comunicação de César Bolaño está Disponível na Biblioteca Eptic

O artigo de César Bolaño “Trabalho intelectual, comunicação e capitalismo. A reconfiguração do fator subjetivo na atual reestruturação produtiva” foi recuperado e está no acervo da biblioteca Eptic.

Publicado na revista da Sociedade Brasileira de Economia Política em 2002, o texto trata das relações entre trabalho e comunicação após a reestruturação produtiva ensejada pela terceira revolução industrial a partir da década de 1970 com especial atenção para o conceito marxiano de subsunção do trabalho intelectual. O acervo da revista conta apenas com os volumes publicados a partir de 2013.

O texto está disponível para download aqui.

Encontro entre pesquisadores do Trabalho no Campo da Comunicação em São Paulo

cpctO Centro de Pesquisa em Comunicação e Trabalho da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP) promoverá no dia 30 de março, a partir das 19 horas, um encontro com estudiosos interessados na temática do Trabalho em pesquisas no campo da Comunicação. O objetivo é reunir pesquisadores de diferentes instituições de ensino e pesquisa para discutir, a princípio, as seguintes questões:

a) O estado da arte da pesquisa em Comunicação com o tema Trabalho;

b) As contribuições que a área da Comunicação pode oferecer para avançarmos nas pesquisas com o tema do Trabalho.

O encontro será aberto a todos os pesquisadores interessados nessa discussão, e acontecerá no Departamento de Comunicações e Artes (CCA) da ECA-USP – 2°  andar (campus Butantã da USP/ Av. prof. Lúcio Martins Rodrigues, 443).

DOSSIÊ TRABALHO COMUNICACIONAL

A líder do CPCT, Roseli Fígaro, foi a coordenadora do dossiê temático “Trabalho comunicacional: aspectos de comunicação e trabalho como atividade e como mercadoria”, publicado na primeira edição de 2015 da Revista EPTIC Online, que você pode conferir em: http://migre.me/p5osP

[Seminário OBSCOM/CEPOS] Mercantilização da universidade latino-americana

néstorAs modificações na categoria trabalho são um dos temas que cabem à análise da Crítica à Economia Política. A subsunção do trabalho intelectual cada vez mais crescente, dada a importância da inovação e da criatividade para o modo de produção capitalista, é um tema de importante debate para os pesquisadores, que discutem e vivem estas mudanças que interferem nas possibilidades de avanços científicos visando os interesses sociais.

Neste sentido, um dos pré-eventos do XIII Seminário OBSCOM/CEPOS, realizado na noite do dia 10 de dezembro de 2014 no auditório da Associação dos Docentes da Universidade Federal de Sergipe (Adufs/UFS), foi a mesa “Mercantilização da universidade latino-americana”, que contou com apresentação e comentários de César Bolaño (UFS) ao debate promovido por Néstor Correa, ex-presidente e atual secretário de imprensa da Asociación Gremial Docente de la Universidad de Buenos Aires (UBA).

Professor da cátedra de História e Economia da UBA, Néstor apresentou a situação dos professores das universidades argentinas, cujas características de precarização do trabalho docente se assemelham com o que ocorre no Brasil, corroborando com sua proposta de montar uma rede na América Latina de crítica à mercantilização da educação e da ciência.

Dois marcos para entender a guinada são o período da ditadura militar e o governo Menem. No primeiro caso, foi quando teriam aparecido os primeiros pequenos pagamentos aos estudantes, que queimavam os carnês. No segundo período, foram aplicadas as políticas do Banco Mundial, sendo mantidas nos governos seguintes, que geraram flexibilização do trabalho, a ponto de hoje 70% dos professores não serem de relação permanente no caso da UBA, o que Néstor aponta como uma forma de manter o controle social.

Isso gerou a necessidade de enfrentar o que ele aponta como um processo de “destruição civilizatória” das conquistas históricas que foram alcançadas anteriormente. Reflexo do avanço do capital sobre outros campos, com políticas orientadas e dirigidas para o benefício do capital financeiro, em que as universidades passam a atender essa lógica ao serem forçadas a cumprir com metas pré-estabelecidas, caso não o façam, os orçamentos disponibilizados serão menores. No caso argentino, o orçamento sequer vai direto às universidades. 15% ficam nas mãos do poder Executivo e o resto vai para pagar os salários dos professores e demais despesas, o que, segundo Néstor, vem empurrando as instituições a buscar financiamento externo.

A educação teria se tornado um negócio internacional multibilionário, alcançando cifras de bilhões de dólares e gerando dívidas de créditos estudantis que chegam a ser impagáveis em países como os Estados Unidos. Além disso, o pesquisador argentino lembrou que há a participação de instituições financeiras diretamente no setor, caso da tentativa do Santander em penetrar em todos os campos de atividade científica. Com o avanço científico sendo condicionado à necessidade de mercado, a mão de obra formada é condicionada à demanda das empresas.

No que tange à formação universitária, ainda que a fase atual seja a de ampliar as vagas nas instituições de ensino superior, teria havido uma desqualificação do ensino superior, que Néstor apontou na palestra que ocorre através da aplicação de políticas de embrutecimento coletivo e não de uma nova imersão ao conhecimento, como os autores que defendem o momento atual como o de desenvolvimento de um capitalismo cognitivo ou de uma Sociedade do Conhecimento indicam.

Como opção a essa situação, presente em outros países latino-americanos, ainda que em diferentes escalas, Néstor aponta a necessidade de resistência, que não parte do poder universitário, mas do elemento juvenil e de alguns professores, os que não são cooptados com vantagens financeiras (cargos de chefia).

Observar este processo e unir forças para barrar a mercantilização é um objetivo que deve ser encampado por docentes de diferentes instituições. A troca de experiências para manter direitos representa elemento importante para frear a mercantilização do ensino nos nossos países e, consequentemente, fortalecer a produção de conhecimento e a formação de futuros profissionais.