Chamada de trabalhos: Pobreza e Jornalismo

SURLE

A revista científica internacional “Sobre Jornalismo/ About Journalism / Sur le Journalism” está com chamada de trabalhos aberta para o dossiê “Pobreza e Jornalismo”. A edição será coordenada pelos professores: Viviane Resende, Laura Pardo e Greg Nielsen e o prazo para envio de propostas de artigo (resumos expandidos) se encerra dia 30 de junho de 2015.

EMENTA

A pobreza é um problema global grave, com consequências desastrosas sobre as vidas de milhões de pessoas no mundo. Entretanto, a cobertura do problema, incluindo a ação do que poderia ser classificado como instituições circundantes, tais como organizações não governamentais, intergovernamentais e internacionais, é distorcida, e suas dimensões são naturalizadas de várias formas em jornais, emissoras de televisão e outros veículos midiáticos […]. Mesmo reconhecendo que a mídia convencional discuta regularmente questões ligadas à pobreza – embora sem estabelecer relações causais entre as situações de pobreza e outras questões sociais mais amplas, ficando a representação restrita a uma lógica de aparências […] -, há a questão de que raramente se dirige aos grupos sociais a que se refere. Em outras palavras, na maior parte das vezes jornalistas falam sobre quem vive em situação de pobreza, mas do ponto de vista de quem não experimenta a pobreza e dirigindo-se a quem tampouco experimenta a pobreza. Disso não resultaria que a compreensão pública das situações de exclusão torna-se limitada, mesmo quando a mídia parece clamar por soluções, supostamente em nome da democracia? A cobertura jornalística sobre a pobreza não estaria contribuindo para silenciar um grupo de atores sociais – curiosamente aqueles que são diretamente afetados pelo problema – e que se encontram excluídos tanto da representação midiática, como do acesso ao debate público sobre esse tema?

Por um lado, a história e a crítica da economia política das organizações midiáticas na cobertura da pobreza ainda precisam ser escritas. Por outro lado, não se podem ignorar iniciativas transformadoras, no campo do jornalismo, que buscam incluir os atores e grupos representados também como audiência. O jornalismo cumpre um papel político importante quando ‘molda’ as notícias sobre a pobreza. Se é verdade que o jornalismo hegemônico tem limitado seu engajamento com a superação da pobreza ao enquadramento pelo viés da caridade, o que pode ser e de fato tem sido questionado, também é verdade que esse mesmo jornalismo tem focalizado muito pouco os problemas relativos à falta de acesso de parcelas significativas das populações a recursos materiais e simbólicos, e que tem estabelecido questionáveis relações entre pobreza e violência. Essa abordagem do tema frequentemente evita a investigação crítica. Mas é verdade também que o jornalismo alternativo – como nos street papers, na mídia comunitária, no jornalismo cidadão, na mídia social, bem como em sistemas públicos de televisão – tem estabelecido outras formas de relação entre jornalismo e pobreza. Várias formas de jornalismo de defesa civil têm estabelecido relações políticas diferentes quando se trata de se dirigir a atores e grupos sociais em situações de pobreza, por exemplo noticiando fatos em que grupos sociais em posições subalternas assumem posturas protagonistas na transformação de suas situações.

Esse número monográfico de Sobre Jornalismo convida autoras e autores e enviarem contribuições que busquem discutir a complexa combinação de forças que atuam na definição de uma ‘boa’ prática jornalística no tangente a esse corte temático, em abordagens que reconheçam a diversidade e as tensões das estruturas sociais e organizacionais e das práticas discursivas. Consistência editorial, atitudes jornalísticas, níveis de verificação requeridos, culturas profissionais diferem radicalmente entre mídias, mas ainda mais entre regiões do globo, o que traz uma grande diversidade às possíveis abordagens das relações entre jornalismo e pobreza. Onde quer que jornalistas levantem questões sobre pobreza, como os grupos sociais empobrecidos e as pessoas em situação de pobreza são representados e classificados? São representados como números e dados estatísticos? Como textos jornalísticos especulam sobre possíveis soluções para a pobreza? Como pessoas em situações de pobreza são imageticamente representadas? Ou, por que as imagens das pessoas mais pobres são tão apelativas no jornalismo?

No escopo deste dossiê, muitas questões são pertinentes:
– Em que escala devemos situar a cobertura da pobreza, em termos geopolíticos? Localmente? Nacionalmente? Em um eixo Norte-Sul? Globalmente?

– Como textos jornalísticos representam, nomeiam, classificam as variadas situações de pobreza? Que significados diferentes tipos de jornalismo atribuem à pobreza? Que efeitos potenciais podem ser associados a esses significados?

– Pessoas em situações de pobreza encontram espaço para a enunciação de suas vozes em textos jornalísticos? Como essas vozes se representam na mídia hegemônica e/ou na mídia alternativa (street papers, mídia comunitária, jornalismo de defesa civil etc.)?

– Grupos em situações de pobreza são representados em papéis ativos ou passivos? Suas vozes são representadas? De que modos?

– Quais são os atores sociais envolvidos na cobertura jornalística da pobreza? Como sua participação é negociada no campo? Quais são os papéis representados por atores sociais externos ao campo do jornalismo (governos, ONGs, acadêmicos, organizações intergovernamentais e internacionais etc.)? 

– Quais são as audiências às quais os textos jornalísticos se dirigem? Há lacunas entre atores e grupos sociais representados e as audiências em potencial?

SUBMISSÃO

Solicita-se confirmar o interesse de participar do dossiê até o dia 30 de junho de 2015 por meio do envio de um texto de duas páginas aos coordenadores do dossiê: viviane.melo.resende@gmail.com; pardo.linguistica@gmail.com; gregmarcnielsen@hotmail.com.

Os textos podem ser redigidos em português, inglês,francês ou espanhol. Os artigos, de 30 a 50 mil caracteres (com espaço), devem ser encaminhados até o dia 30 de novembro aos coordenadores do dossiê.

Sobre jornalismo é um periódico internacional peer-reviewed, de acesso livre, com versões eletrônica e impressa. A revista, editada desde 2012, publica dossiês temáticos e artigos livres. Ela aceita proposições em inglês, francês, português e espanhol.