EPTIC abre chamada sobre “intelectuais e esferas públicas”

reveptic

A REVISTA EPTIC, produzida pelo Observatório de Economia e Comunicação (OBSCOM) da Universidade Federal de Sergipe (UFS), informa que está aberta até o dia 30 de setembro a chamada de trabalhos para a edição de janeiro-abril, vol.19, n.1, que terá como tema de seu dossiê temático “Intelectuais e esferas públicas: entre o poder e a mídia”.

Ementa

De acordo com vários pesquisadores, sobretudo no campo da sociologia e da história dos intelectuais, desde o Affaire Dreyfus o grupo de indivíduos geralmente denominado de “intelectuais” teria adquirido certa autonomia em relação ao meio político. Esse processo teria, de certa forma, contribuído para a emergência de esferas públicas autônomas, particularmente as esferas acadêmica, cultural e midiática.

Assim, os intelectuais da esfera acadêmica desfrutariam da liberdade acadêmica algo que se materializa, por exemplo, na possibilidade de conceber programas de ensino e propor projetos de pesquisa nos quais são os responsáveis por definir os próprios critérios de avaliação (avaliação pelos pares). Os intelectuais que se ocupam da produção cultural, por sua vez, teriam direito à liberdade de expressão e seriam suscetíveis a terem acesso a diferentes programas de financiamento público. A situação dos intelectuais midiáticos seria um pouco diferente, na medida em que o seu acesso é amplamente condicionado pelos critérios impostos pelos meios de comunicação (Bourdieu, 1984; 1997; Rieffel, 1992; 1993; Pereira, 2008; Aubin, 2004).

Se é verdade que tais conceitos – autonomia/autonomização – são fundamentais para a constituição da concepção moderna de intelectual e de seu papel na intervenção nas esferas públicas, até que ponto as transformações nas esferas produtivas e sociais observadas desde o final dos anos 1960 teriam alterado as condições de intervenção e de engajamento dos intelectuais e a própria constituição das diferentes esferas públicas?

Como, portanto, pensar o intelectual – em suas diversas modalidades – nesse novo cenário? Qual o papel dos intelectuais e da crítica sistêmica num mundo onde o “intelecto geral” tornou-se a principal força produtiva? Não estariam, por exemplo, o trabalho científico, ou o trabalho docente, sendo submetidos a novos constrangimentos e a formas de organização e controle ditadas pela atual expansão da lógica financeira do capital, que colocam em questão inclusive as formas anteriores de participação dos intelectuais na construção da hegemonia? E qual a responsabilidade dos intelectuais nessa nova (des)ordem mundial em construção? E de que forma os intelectuais participam – contestando, assumindo ou reforçando certos discursos – desse cenário?

Para responde a essas questões, os interessados em participar deste dossiê devem propor artigos a partir dos seguintes eixos de análise:

a. História e sociologia dos intelectuais: a constituição do intelectual/grupos intelectuais nos diferentes contextos nacionais, os processos de construção e de negociação estatutária. As suas transformações e dos intelectuais ao longo da história;

b. Processos de trabalho nas diferentes indústrias culturais e da comunicação: os sistemas de controle e exploração do trabalho intelectual, a economia política da comunicação e da cultura e instituições intelectuais.

c. Análise das intervenções intelectuais nas esferas públicas: o intelectual “em ação”, as modalidades de engajamento público nas esferas midiática, cultural, universitária. Os posicionamentos dos intelectuais nos debates públicos e as estratégias discursivas adotadas. As transformações do debate intelectual (e das esferas públicas) nos diferentes contextos nacionais.

Revista

Além do dossiê, o periódico, avaliado como B1 pelo Qualis Capes (Área CSA1), segue recebendo contribuições para as suas outras sessões. A Revista Eptic  recebe colaborações, na área de Economia Política da Informação, da Comunicação e da Cultura, em forma de Artigos, Ensaios, Relatos de Pesquisa, Entrevistas e Resenhas inéditos em periódicos nacionais, que poderão ser redigidos em português, espanhol, francês ou inglês.

Exige-se dos autores das seções ARTIGOS E ENSAIOS e DOSSIÊ TEMÁTICO a titulação mínima de mestre e que os mesmos sejam resultantes de estudos teóricos e/ou pesquisa. A seção INVESTIGAÇÃO aceita artigos, fruto de pesquisa em desenvolvimento ou concluída, também de mestrandos e doutorandos, que também podem enviar resenhas de livros para publicação.

Para todas as seções, a EPTIC aceita os trabalhos via sistema.

Coordenadores do Dossiê  Temático: Prof. Fabio Pereira, Faculdade de Comunicação, Universidade de Brasília e Profª. France Aubin (Lettres et communication sociale, Université du Québec à Trois-Rivières)

Prazo para submissão de artigos: 30/09/2016

Mais informações: www.revistaeptic.ufs.br

* O periódico segue até o dia 15/05 com a submissão aberta para o dossiê  “Global, Regional, Local: territórios demarcados pelo mercado das Comunicações