O bom senso e a coerência nas decisoes sobre a TV Digital

Por André Barbosa Filho*, no Blog ABFDigitalinteratividadenatvdigital78380
 
Os últimos meses, ao longo das reuniões do Grupo de Implantação do Processo de Redistribuição e Digitalização de Canais de TV e RTV (GIRED), pude constatar mais alguns comportamentos corporativos que me dão a exata dimensão do equilíbrio tênue em que vivemos na atualidade.Fatos, que mesmo a boca pequena, são ditos individualmente como consensuais, e na verdade se escondem nas afirmações em prol de interesses, digamos, legítimos, porém sem perspectiva e sem sequer uma dose de audácia e risco.Diga-se, como uma tendencia contraria, que as empresas da nova economia dão destaque a busca pela inovação e o consenso nos encontros ou “matches” entre nichos que se caracterizam por gostos e comportamentos, por vezes, nada semelhantes. O objetivo e gerar o “novo”, ir aonde ainda não se ousou ir.

O comportamento conservador defende decisões econômicas pontuais, sem riscos de mexer no estado inercial em contrapartida ao estado da arte, pautados pelos mecanismos de retorno do investimento, pautado pelo mundo especulativo, sem coerência com o mundo produtivo.

Muito importante tem sido o posicionamento do Sr. Ministro das Comunicações pelas declarações translúcidas e coerentes a sua biografia a favor da interatividade plena na TV Digital.

O mesmo se aplica a Anatel por sua competência em gerenciar este e outros tema referentes a migração digital na plataforma TV.

As posições das autoridades em atenção aos documentos legais em vigor como os decretos e portarias que expressamente defendem a implantação da TV Digital no Brasil como instrumentos de inclusão digital através da interatividade, destacando-se ai o seu modelo pleno com canal de retorno, trouxe o equilíbrio necessário para a construção de uma decisão justa e viável quanto a escolha das caixas conversoras.

Como, em verdade, as instituições envolvidas públicas ou privadas poderiam ser avessas a um programa que utiliza o mais popular dos meios comunicacionais que leva o mundo digital através da TV aos que não possuem acesso as maravilhas tecnológicas da Internet?

Some-se a isso, o uso dos celulares com acesso a Internet, utilizado como plataforma de interatividade e já presente em quase todos os lares brasileiros.

Entretanto, em reuniões fechadas aparecem defesas veementes de posições inconfessáveis. É do Mundo, diriam…. Entretanto, não são as de um mundo justo em oportunidades que queremos construir.

Entendemos estar vivenciado o limiar de um movimento histórico em direção a uma mudança radical no fazer e no participar dos meios digitais convergentes, incluindo, entre estas, a TV Digital Pública Interativa.

A iniciativa da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) através do projeto Brasil 4D é pioneira na proposição de uma comunicação interativa convergente, materializando toda a pujança da produção e transporte de conteúdos desta plataforma audiovisual, através de sua massificação pelas emissoras publicas e quiçá, comerciais.

Trata-se de um projeto de inclusão social e digital através da transmissão de conteúdos audiovisuais e aplicativos utilizando linguagem híbrida e multimídia, voltado para grupos de baixa renda como, por exemplo, os beneficiários do programa Bolsa Família que reúnem 14 milhões de famílias em todo o Brasil.

O bom senso prevalecerá nestas discussões finais e teremos razoes de sobra para comemorar este passo gigantesco da sociedade na tentativa da diminuição da assimetria do conhecimento que nos envergonha e nos desafia.

*André Barbosa Filho é superintendente Executivo de Relacionamento na EBC – Empresa Brasil de Comunicação.